Comentário 26 – 3. 4: A insuficiência da luz da natureza